domingo, fevereiro 14, 2010

MARTIN NIEMÖLLER

segunda-feira, novembro 16, 2009

Vazio'

depois de nós

fica o erro que deixarmos,
o amor que construirmos

fica a memória, (que seja boa),
até minguar nos que ficarem depois de nós

segunda-feira, novembro 09, 2009



Em Das Leben der Anderen, a certo ponto narra-se uma anedota corrente na ex-RDA que contava assim: Erich Honecker pela manhã abriu a janela e cumprimentou o Sol com um "bom dia", e recebeu do Sol também a resposta de "um bom dia".

A troca de cumprimentos repetiu-se depois do meio-dia com um mútuo "boa tarde".

Mas já à noite, quando Sol se pôs a poente, o presidente alemão esperou pela resposta do Sol, mas este nada dizia.

Então não me dás as boas noites?, insistiu Honecker, ao que o Sol replicou, não, agora já estou do lado de cá.

Desde então, que soube desta história, cumprimento o Sol pela manhã, pela tarde, à noite, nos dias de chuva, aos sábados e aos domingos.

Até hoje, o Sol nunca respondeu, diz agora ele que continua de noite.

quarta-feira, março 04, 2009

Vazio

a brisa da primavera traz, por vezes

notas de ouro polvilhado de mortes anunciadas

morreu outro que não eu,
e choro a inveja de continuar eu cá

a percepção do vazio
preenche-nos o espírito, ora revelado

pausa reflexiva
mas ansiosa

porque atraída pelo quotidiano
é convocada ao negócio gregário da fratria

sexta-feira, fevereiro 13, 2009

morte adiada

correm longos cabelos negros
de um mundo desconhecido
revelado no esplendor doce do fenómeno simples do existir

são notas sustenidas
enviadas pelo sublimado e alheio deus

científico, implora seráfico à credulidade ateia
e assim toldando os sentidos
insinua uma bússola sem norte
aos habitantes deambulantes das sombras amargas

'tá mar chão
o cadáver adormece imóvel
no oceano infinito
desmentido pelo horizonte circumnavegante
liberto de intenção
assim jaz
pleno
na remota felicidade
do incomensurável indito

mas sopra uma brisa
incómoda
socrática
lazarenta
que não nos deixa morrer já

quarta-feira, novembro 05, 2008

chicagotribune.com
cnn

Full text of Barack Obama's speech
November 4, 2008

If there is anyone out there who still doubts that America is a place where all things are possible; who still wonders if the dream of our founders is alive in our time; who still questions the power of our democracy, tonight is your answer.

It's the answer told by lines that stretched around schools and churches in numbers this nation has never seen; by people who waited three hours and four hours, many for the very first time in their lives, because they believed that this time must be different; that their voice could be that difference.

It's the answer spoken by young and old, rich and poor, Democrat and Republican, black, white, Latino, Asian, Native American, gay, straight, disabled and not disabled -- Americans who sent a message to the world that we have never been a collection of Red States and Blue States: we are, and always will be, the United States of America.It's the answer that led those who have been told for so long by so many to be cynical, and fearful, and doubtful of what we can achieve to put their hands on the arc of history and bend it once more toward the hope of a better day.

It's been a long time coming, but tonight, because of what we did on this day, in this election, at this defining moment, change has come to America.I just received a very gracious call from Senator McCain. He fought long and hard in this campaign, and he's fought even longer and harder for the country he loves.

He has endured sacrifices for America that most of us cannot begin to imagine, and we are better off for the service rendered by this brave and selfless leader. I congratulate him and Governor Palin for all they have achieved, and I look forward to working with them to renew this nation's promise in the months ahead.I want to thank my partner in this journey, a man who campaigned from his heart and spoke for the men and women he grew up with on the streets of Scranton and rode with on that train home to Delaware, the Vice President-elect of the United States, Joe Biden.

I would not be standing here tonight without the unyielding support of my best friend for the last sixteen years, the rock of our family and the love of my life, our nation's next First Lady, Michelle Obama. Sasha and Malia, I love you both so much, and you have earned the new puppy that's coming with us to the White House. And while she's no longer with us, I know my grandmother is watching, along with the family that made me who I am. I miss them tonight, and know that my debt to them is beyond measure.To my campaign manager David Plouffe, my chief strategist David Axelrod, and the best campaign team ever assembled in the history of politics -- you made this happen, and I am forever grateful for what you've sacrificed to get it done.

But above all, I will never forget who this victory truly belongs to -- it belongs to you.

I was never the likeliest candidate for this office. We didn't start with much money or many endorsements. Our campaign was not hatched in the halls of Washington -- it began in the backyards of Des Moines and the living rooms of Concord and the front porches of Charleston.It was built by working men and women who dug into what little savings they had to give five dollars and ten dollars and twenty dollars to this cause. It grew strength from the young people who rejected the myth of their generation's apathy; who left their homes and their families for jobs that offered little pay and less sleep; from the not-so-young people who braved the bitter cold and scorching heat to knock on the doors of perfect strangers; from the millions of Americans who volunteered, and organized, and proved that more than two centuries later, a government of the people, by the people and for the people has not perished from this Earth.

This is your victory.I know you didn't do this just to win an election and I know you didn't do it for me. You did it because you understand the enormity of the task that lies ahead. For even as we celebrate tonight, we know the challenges that tomorrow will bring are the greatest of our lifetime -- two wars, a planet in peril, the worst financial crisis in a century. Even as we stand here tonight, we know there are brave Americans waking up in the deserts of Iraq and the mountains of Afghanistan to risk their lives for us.

There are mothers and fathers who will lie awake after their children fall asleep and wonder how they'll make the mortgage, or pay their doctor's bills, or save enough for college. There is new energy to harness and new jobs to be created; new schools to build and threats to meet and alliances to repair.

The road ahead will be long. Our climb will be steep. We may not get there in one year or even one term, but America -- I have never been more hopeful than I am tonight that we will get there. I promise you -- we as a people will get there.There will be setbacks and false starts.

There are many who won't agree with every decision or policy I make as President, and we know that government can't solve every problem. But I will always be honest with you about the challenges we face. I will listen to you, especially when we disagree.

And above all, I will ask you join in the work of remaking this nation the only way it's been done in America for two-hundred and twenty-one years -- block by block, brick by brick, calloused hand by calloused hand.What began twenty-one months ago in the depths of winter must not end on this autumn night.

This victory alone is not the change we seek -- it is only the chance for us to make that change. And that cannot happen if we go back to the way things were.

It cannot happen without you.So let us summon a new spirit of patriotism; of service and responsibility where each of us resolves to pitch in and work harder and look after not only ourselves, but each other.

Let us remember that if this financial crisis taught us anything, it's that we cannot have a thriving Wall Street while Main Street suffers -- in this country, we rise or fall as one nation; as one people.

Let us resist the temptation to fall back on the same partisanship and pettiness and immaturity that has poisoned our politics for so long.

Let us remember that it was a man from this state who first carried the banner of the Republican Party to the White House -- a party founded on the values of self-reliance, individual liberty, and national unity.

Those are values we all share, and while the Democratic Party has won a great victory tonight, we do so with a measure of humility and determination to heal the divides that have held back our progress.

As Lincoln said to a nation far more divided than ours, "We are not enemies, but friends…though passion may have strained it must not break our bonds of affection." And to those Americans whose support I have yet to earn -- I may not have won your vote, but I hear your voices, I need your help, and I will be your President too.

And to all those watching tonight from beyond our shores, from parliaments and palaces to those who are huddled around radios in the forgotten corners of our world -- our stories are singular, but our destiny is shared, and a new dawn of American leadership is at hand.

To those who would tear this world down -- we will defeat you. To those who seek peace and security -- we support you. And to all those who have wondered if America's beacon still burns as bright --tonight we proved once more that the true strength of our nation comes not from our the might of our arms or the scale of our wealth, but from the enduring power of our ideals: democracy, liberty, opportunity, and unyielding hope.

For that is the true genius of America -- that America can change. Our union can be perfected. And what we have already achieved gives us hope for what we can and must achieve tomorrow.

This election had many firsts and many stories that will be told for generations. But one that's on my mind tonight is about a woman who cast her ballot in Atlanta.

She's a lot like the millions of others who stood in line to make their voice heard in this election except for one thing -- Ann Nixon Cooper is 106 years old.

She was born just a generation past slavery; a time when there were no cars on the road or planes in the sky; when someone like her couldn't vote for two reasons -- because she was a woman and because of the color of her skin.

And tonight, I think about all that she's seen throughout her century in America -- the heartache and the hope; the struggle and the progress; the times we were told that we can't, and the people who pressed on with that American creed: Yes we can.

At a time when women's voices were silenced and their hopes dismissed, she lived to see them stand up and speak out and reach for the ballot. Yes we can.

When there was despair in the dust bowl and depression across the land, she saw a nation conquer fear itself with a New Deal, new jobs and a new sense of common purpose. Yes we can.

When the bombs fell on our harbor and tyranny threatened the world, she was there to witness a generation rise to greatness and a democracy was saved. Yes we can.

She was there for the buses in Montgomery, the hoses in Birmingham, a bridge in Selma, and a preacher from Atlanta who told a people that "We Shall Overcome." Yes we can.

A man touched down on the moon, a wall came down in Berlin, a world was connected by our own science and imagination. And this year, in this election, she touched her finger to a screen, and cast her vote, because after 106 years in America, through the best of times and the darkest of hours, she knows how America can change. Yes we can.

America, we have come so far. We have seen so much. But there is so much more to do. So tonight, let us ask ourselves -- if our children should live to see the next century; if my daughters should be so lucky to live as long as Ann Nixon Cooper, what change will they see? What progress will we have made?

This is our chance to answer that call. This is our moment. This is our time -- to put our people back to work and open doors of opportunity for our kids; to restore prosperity and promote the cause of peace; to reclaim the American Dream and reaffirm that fundamental truth -- that out of many, we are one; that while we breathe, we hope, and where we are met with cynicism, and doubt, and those who tell us that we can't, we will respond with that timeless creed that sums up the spirit of a people:

Yes We Can.

Thank you, God bless you, and may God Bless the United States of America.


Copyright © 2008,
Chicago Tribune
______________________________________________________________
______________________________________________________________



Tradução
Obama: O discurso de vitória

05.11.2008 - 20h24

Boa noite, Chicago. Se ainda houver alguém que duvida que a América é o lugar onde todas as coisas são possíveis, que questiona se o sonho dos nossos fundadores ainda está vivo, que ainda duvida do poder da nossa democracia, teve esta noite a sua resposta.

É a resposta dada pelas filas de voto que se estendiam em torno de escolas e igrejas em números que esta nação jamais vira, por pessoas que esperaram três e quatro horas, muitas pela primeira vez na sua vida, porque acreditavam que desta vez tinha de ser diferente, que as suas vozes poderiam fazer essa diferença.

É a resposta dada por jovens e velhos, ricos e pobres, democratas e republicanos, negros, brancos, hispânicos, asiáticos, nativos americanos, homossexuais, heterossexuais, pessoas com deficiências e pessoas saudáveis. Americanos que enviaram uma mensagem ao mundo, a de que nunca fomos apenas um conjunto de indivíduos ou um conjunto de Estados vermelhos e azuis.

Somos e sempre seremos os Estados Unidos da América.


É a resposta que levou aqueles, a quem foi dito durante tanto tempo e por tantos para serem cínicos, temerosos e hesitantes quanto àquilo que podemos alcançar, a porem as suas mãos no arco da História e a dobrá-lo uma vez mais em direcção à esperança num novo dia.

Há muito que isto se anunciava mas esta noite, devido àquilo que fizemos neste dia, nesta eleição, neste momento definidor, a mudança chegou à América.Há pouco recebi um telefonema extraordinariamente amável do Senador McCain.O Senador McCain lutou longa e arduamente nesta campanha.

E lutou ainda mais longa e arduamente pelo país que ama. Fez sacrifícios pela América que muitos de nós não conseguimos sequer imaginar. Estamos hoje melhor devido aos serviços prestados por este líder corajoso e altruísta. Felicito-o e felicito a governadora Palin por tudo aquilo que alcançaram. Espero vir a trabalhar com eles para renovar a promessa desta nação nos próximos meses.

Quero agradecer ao meu parceiro neste percurso, um homem que fez campanha com o seu coração e falou pelos homens e mulheres que cresceram com ele nas ruas de Scranton e viajaram com ele no comboio para Delaware, o vice-presidente eleito dos Estados Unidos, Joe Biden.

E eu não estaria aqui hoje sem o inabalável apoio da minha melhor amiga dos últimos 16 anos, a pedra angular da nossa família, o amor da minha vida, a próxima Primeira Dama do país, Michelle Obama.

Sasha e Malia, amo-vos mais do que poderão imaginar. E merecem o novo cachorro que virá connosco para a nova Casa Branca.

E embora ela já não esteja entre nós, sei que a minha avó está a observar-me, juntamente com a família que fez de mim aquilo que sou. Tenho saudades deles esta noite. Reconheço que a minha dívida para com eles não tem limites.

Para a minha irmã Maya, a minha irmã Alma, todos os meus outros irmãos e irmãs, desejo agradecer-vos todo o apoio que me deram. Estou-vos muito grato.E ao meu director de campanha, David Plouffe, o discreto herói desta campanha, que, na minha opinião, concebeu a melhor campanha política da história dos Estados Unidos da América.

E ao meu director de estratégia, David Axelrod, que me tem acompanhado em todas as fases do meu percurso. Para a melhor equipa alguma vez reunida na história da política: tornaram isto possível e estou-vos eternamente gratos por aquilo que sacrificaram para o conseguir.

Mas acima de tudo nunca esquecerei a quem pertence verdadeiramente esta vitória. Ela pertence-vos a vós. Pertence-vos.

Nunca fui o candidato mais provável para este cargo. Não começámos com muito dinheiro nem muitos apoios. A nossa campanha não foi delineada nos salões de Washington. Começou nos pátios de Des Moines, em salas de estar de Concord e nos alpendres de Charleston. Foi construída por homens e mulheres trabalhadores que, das suas magras economias, retiraram 5 e 10 e 20 dólares para a causa.

Foi sendo fortalecida pelos jovens que rejeitavam o mito da apatia da sua geração e deixaram as suas casas e famílias em troca de empregos que ofereciam pouco dinheiro e ainda menos sono.

Foi sendo fortalecida por pessoas menos jovens, que enfrentaram um frio terrível e um calor sufocante para irem bater às portas de perfeitos estranhos, e pelos milhões de americanos que se ofereceram como voluntários, se organizaram e provaram que mais de dois séculos depois, um governo do povo, pelo povo e para o povo não desaparecera da Terra.

Esta vitória é vossa.

E sei que não fizeram isto apenas para vencer uma eleição. E sei que não o fizeram por mim.

Fizeram-no porque compreendem a enormidade da tarefa que nos espera. Porque enquanto estamos aqui a comemorar, sabemos que os desafios que o amanhã trará são os maiores da nossa vida – duas guerras, uma planeta ameaçado, a pior crise financeira desde há um século.

Enquanto estamos aqui esta noite, sabemos que há americanos corajosos a acordarem nos desertos do Iraque e nas montanhas do Afeganistão para arriscarem as suas vidas por nós.

Há mães e pais que se mantêm acordados depois de os seus filhos adormecerem a interrogarem-se sobre como irão amortizar a hipoteca, pagar as contas do médico ou poupar o suficiente para pagar os estudos universitários dos filhos.

Há novas energias para aproveitar, novos empregos para serem criados, novas escolas para construir, ameaças para enfrentar e alianças para reparar.

O caminho à nossa frente vai ser longo. A subida vai ser íngreme. Podemos não chegar lá num ano ou mesmo numa legislatura. Mas América, nunca estive tão esperançoso como nesta noite em como chegaremos lá.

Prometo-vos. Nós, enquanto povo, chegaremos lá.

Haverá reveses e falsas partidas. Há muitos que não concordarão com todas as decisões ou políticas que eu tomar como presidente. E sabemos que o governo não consegue solucionar todos os problemas.

Mas serei sempre honesto para convosco sobre os desafios que enfrentarmos. Ouvir-vos-ei, especialmente quando discordarmos. E, acima de tudo, pedir-vos-ei que adiram à tarefa de refazer esta nação da única forma como tem sido feita na América desde há 221 anos – pedaço a pedaço, tijolo a tijolo, e com mãos calejadas.

Aquilo que começou há 21 meses no rigor do Inverno não pode acabar nesta noite de Outono.Somente a vitória não constitui a mudança que pretendemos. É apenas a nossa oportunidade de efectuar essa mudança. E isso não poderá acontecer se voltarmos à forma como as coisas estavam.

Não poderá acontecer sem vós, sem um novo espírito de empenho, um novo espírito de sacrifício.

Convoquemos então um novo espírito de patriotismo, de responsabilidade, em que cada um de nós resolve deitar as mãos à obra e trabalhar mais esforçadamente, cuidando não só de nós mas de todos.

Recordemos que, se esta crise financeira nos ensinou alguma coisa, é que não podemos ter uma Wall Street florescente quando as Main Street sofrem.

Neste país, erguemo-nos ou caímos como uma nação, como um povo. Resistamos à tentação de retomar o partidarismo, a mesquinhez e a imaturidade que há tanto tempo envenenam a nossa política.

Recordemos que foi um homem deste Estado que, pela primeira vez, transportou o estandarte do Partido Republicano até à Casa Branca, um partido fundado em valores de independência, liberdade individual e unidade nacional.São valores que todos nós partilhamos. E embora o Partido Democrata tenha alcançado uma grande vitória esta noite, fazemo-lo com humildade e determinação para sarar as divergências que têm atrasado o nosso progresso.

Como Lincoln disse a uma nação muito mais dividida do que a nossa, nós não somos inimigos mas amigos. Embora as relações possam estar tensas, não devem quebrar os nossos laços afectivos.

E àqueles americanos cujo apoio ainda terei de merecer, posso não ter conquistado o vosso voto esta noite, mas ouço as vossas vozes. Preciso da vossa ajuda. E serei igualmente o vosso Presidente.

E a todos os que nos observam esta noite para lá das nossas costas, em parlamentos e palácios, àqueles que estão reunidos em torno de rádios em cantos esquecidos do mundo, as nossas histórias são únicas mas o nosso destino é comum, e uma nova era de liderança americana está prestes a começar.

Aos que querem destruir o mundo: derrotar-vos-emos. Aos que procuram a paz e a segurança: apoiar-vos-emos. E a todos aqueles que se interrogavam sobre se o farol da América ainda brilha com a mesma intensidade: esta noite provámos novamente que a verdadeira força da nossa nação não provém do poder das nossas armas ou da escala da nossa riqueza, mas da força duradoura dos nossos ideais: democracia, liberdade, oportunidade e uma esperança inabalável.

É este o verdadeiro génio da América: que a América pode mudar. A nossa união pode ser aperfeiçoada. O que já alcançámos dá-nos esperança para aquilo que podemos e devemos alcançar amanhã.

Esta eleição contou com muitas estreias e histórias de que se irá falar durante várias gerações. Mas aquela em que estou a pensar esta noite é sobre uma mulher que depositou o seu voto em Atlanta. Ela é muito parecida com os milhões de pessoas que aguardaram a sua vez para fazer ouvir a sua voz nestas eleições à excepção de uma coisa: Ann Nixon Cooper tem 106 anos.

Ela nasceu apenas uma geração depois da escravatura, numa época em que não havia automóveis nas estradas nem aviões no céu; em que uma pessoa como ela não podia votar por duas razões – porque era mulher e por causa da cor da sua pele.

E esta noite penso em tudo o que ela viu ao longo do seu século de vida na América – a angústia e a esperança; a luta e o progresso; as alturas em que nos foi dito que não podíamos e as pessoas que não desistiram do credo americano: Sim, podemos.

Numa época em que as vozes das mulheres eram silenciadas e as suas esperanças destruídas, ela viveu o suficiente para se erguer, falar e votar. Sim, podemos.

Quando havia desespero e depressão em todo o país, ela viu uma nação vencer o seu próprio medo com um New Deal, novos empregos, e um novo sentimento de um objectivo em comum. Sim, podemos.

Quando as bombas caíam no nosso porto e a tirania ameaçava o mundo, ela esteve ali para testemunhar uma geração que alcançou a grandeza e salvou uma democracia. Sim, podemos.

Ela viu os autocarros em Montgomery, as mangueiras em Birmingham, uma ponte em Selma, e um pregador de Atlanta que dizia às pessoas que elas conseguiriam triunfar. Sim, podemos.

Um homem pisou a Lua, um muro caiu em Berlim, um mundo ficou ligado pela nossa ciência e imaginação.

E este ano, nestas eleições, ela tocou com o seu dedo num ecrã e votou, porque ao fim de 106 anos na América, tendo atravessado as horas mais felizes e as horas mais sombrias, ela sabe como a América pode mudar. Sim, podemos.

América, percorremos um longo caminho. Vimos tanto. Mas ainda há muito mais para fazer. Por isso, esta noite, perguntemos a nós próprios – se os nossos filhos viverem até ao próximo século, se as minhas filhas tiverem a sorte de viver tantos anos como Ann Nixon Cooper, que mudança é que verão? Que progressos teremos nós feito?

Esta é a nossa oportunidade de responder a essa chamada. Este é o nosso momento.

Este é o nosso tempo para pôr o nosso povo de novo a trabalhar e abrir portas de oportunidade para as nossas crianças; para restaurar a prosperidade e promover a causa da paz; para recuperar o sonho americano e reafirmar aquela verdade fundamental de que somos um só feito de muitos e que, enquanto respirarmos, temos esperança.

E quando nos confrontarmos com cinismo e dúvidas e com aqueles que nos dizem que não podemos, responderemos com o credo intemporal que condensa o espírito de um povo:

Sim, podemos.

Muito obrigado. Deus vos abençoe.

E Deus abençoe os Estados Unidos da América


Tradução de Mª João Batalha Reis

feedbackParis - feedbackAmérica

Vou registar esta data na minha agenda.
Esta data é histórica, esta data é importante; esta data ficará na memória e, acima de tudo, no coração!
Chove na caquética europa, enquanto o sol brilha nas américas.
Uma Era de esperança? Uma Era de verdadeiro civismo? De verdadeiro respeito pelo outro, pela diferença e pela igualdade? Pela liberdade?

Beijos a todos,
neste dia memorável, neste dia em que o Homem se ultrapassou no maior feito da História!

Iva

terça-feira, outubro 28, 2008

Nada se perde, nada se cria, tudo se transforma.

Já não se pode falar em inverter a desertificação do Continente Português, nem em fixar populações no seu interior.

Neste momento, o discurso deve enunciar a necessidade de Repovoamento e no Movimento ou Deslocação da população do litoral para o interior.

Fazê-lo apenas pela fiscalidade diferenciada das empresas não resulta se não for acompanhada de uma fiscalidade diferenciada dos particulares, articuladas entre si, enquadrando-as em projectos singulares de transferências de serviços, estas também priorizadas por uma estratégia global.

De nada vale incentivar a actividade agrícola local e as indústrias tradicionais, se as mesmas não forem servidas pela migração do terciário. De facto, se é o sector terciário o maior empregador, são as pessoas a ele agregadas que vão consumir o que a agricultura local produzir.
Esta poderá assim desenvolver-se, pois o aumento da mão-de-obra disponível, permitirá passar da subsistência local, para a industrialização de produtos de marca regional, a distribuir pelo resto do País, com os olhos na exportação.

A fiscalidade diferenciada dos particulares deverá beneficiar aqueles que migrem para o interior, mas também todos os que empreguem parte do seu salário na valorização pessoal, independentemente da modalidade em que estejam colectados, mas enquadrando o benefício nos escalões de rendimentos.

Se o salário médio português é hoje inferior ao salário mínimo francês, é porque, depois de impostos, ronda os 600 a 800 euros mensais.
Se lembrarmos que um empréstimo à habitação de 100 mil euros corresponde a uma prestação mensal de cerca de 600 euros, é admissível que estes rendimentos sejam sequer colectados?
É admissível sequer que estas pessoas tenham acesso ao endividamento descontrolado?

Continua a construir-se sem qualidade, a ocupar o solo de forma insustentada e a esquecer a criação de um sistema de transportes públicos urbanos eficaz e barato. Por exemplo, o passe do comboio Setúbal-Lisboa ronda os 100 euros mensais. Não é barato.

A rede viária urbana e nacional são como veias, que em vez de portadoras de sangue oxigenado, libertam monóxido de carbono. As redes ferroviárias e fluviais são o caminho para substituir as frotas de camiões de longo curso. Os carros-eléctricos e o metro urbano devem ganhar prioridade ao transporte rodoviário, ou mesmo substituí-lo.

Por exemplo, na A5, que liga Cascais a Lisboa, depois de ter sido alargada para a terceira faixa, deve agora voltar ao formato das duas faixas, destinando as que são libertadas para a construção do metro de superfície.

Onde estão os nós de entrada na auto-estrada, localizar-se-ão as estações, com estacionamento livre, mas limitado, devendo antes ser criada uma rede local de transportes dotada de autocarros que façam a ligação permanente com as várias zonas das localidades que a estação serve.

Neste caso, teríamos as populações da região Oeste de Lisboa, servidas no litoral pela actual linha de comboio e no interior pelo metro de superfície.

Será necessário ainda demolir construção recente em Outurela/Carnaxide de modo a que Monsanto se prolongue pelo interior do Concelho de Oeiras, numa linha verde que chegue a Sintra, permitindo a circulação pedonal e de velocípedes em toda esta extensão.

Síndrome do Pontapear

Portugal precisa de uma ideia? Ou melhor, precisa de um conceito?
Sim, um conceito estratégico, é sobre isso que se pergunta.

Talvez não. Talvez não precise de um conceito, um conceito é uma coisa demasiado básica.
Então, voltamos ao início.
Precisa, isso sim, de uma Ideia.
De uma Ideia Reguladora.

Uma Ideia de Mundo.
Uma Ideia do que quer fazer do seu Mundo.
E o Mundo Português vai do Minho a Timor.

E perante estas palavras, pf, não me chutem para canto, ou melhor, não caiam já naquele tique atávico da síndrome de autodefesa de pontapear para o canto dos rótulos.

Neste caso, diriam rapidamente... "então este gajo está para aqui a falar de mundo português e mai nâ sei kê, do minho a timor, este filho da mãe não passa de mais um salazarista serôdio, fascista de merda...", etc., etc.

Para mais, dizer salazarista serôdio é uma espécie de pleonasmo conceptual, mas enfim, deixemo-nos de deambulações pedantes.

Mas sobre a tal Ideia para Portugal, poderia dizer que há dias peguei no boletim de voto e fiz a cruz na CDU, um eufemismo linguístico para PCP. Passadas umas semanas fiz a mesma cruz no quadradinho do BE. Porque não? Foi um contributo convicto para abrir espaço a mais um partido tribunício, mas um contributo imune de qualquer credulidade.

Uns meses depois, votámos desertos de credulidade ou convicção construtiva num eunuco, debitador de discursos molengos e inodores, e, por fim, apenas portadores da obrigação cívica, achámos que o Presidente de todos os Portugueses merecia a tal cruz, já sem saber muito bem porquê.

Porém, estamos em crer que se ficou a dever àquele hábito de olhar desensibilizado para a televisão, enquanto esta mostra 30 mortos em Bagdade ou o buraco trilionário das finanças mundiais.

Fomos assim cotejando os dias até que a incerteza do sistema complexo em que se rege o quotidiano nos levou ao número 10, embuídos do espírito de quem entrega os seus honorários aos tipógrafos, mas neste caso, não levava mais do que os honorários do entusiasmo do encontro com o futuro.

Mas não havia lá nada, que não fosse a incipiência e não independência.
Um clube de amigalhaços.
Comentadores apressados, que desviam o olhar da falta grosseira sobre o adversário e citam obliterados no seu adn o conservadorismo totalitário, "se não és como eu, és contra mim".

O líder é aquele que se escrutina para não deixar nada de fora. Tem, para isso, de incluir o outro em si, fora de si, sem juízo moralista.
Abrir o sorriso de faces dispostas, sem esquecer de trazer a espada, mas esta já tem de vir ensangue, do seu próprio sangue.

This page is powered by Blogger. Isn't yours?